11 de junho de 2018

SUS / SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE


SUS / SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE / CAMPINAS SP BRASIL


Com base na experiência ao  longo dos anos, trabalhando no serviço público da cidade de Campinas, SP, BRASIL, e observando as partes, usuários e centros de saúde, hospital público, demandas de exames e medicamentos de uso contínuo, é que coloco nesse texto a minha modesta observação.

Devido aos altos impostos que pagamos diariamente, como na compra de alimentos, bens, e consumo, mais imposto de renda mensal e na apuração anual, taxas de lixo, energia elétrica, IPTU, IPVA, e outras demandas diárias e exacerbadas, incluindo agora o prejuízo da Petrobras para baixa do diesel para abastecimento de veículos, tornou-se quase impossível um cidadão trabalhador arcar com tanto prejuízo em seus ganhos mensais como salário. Mas esses impostos que pagamos devem ser revertidos na Saúde, Educação, e Segurança. Mas o senhor Presidente Michel Temer disse que cortaria verbas para essas áreas. Porém, não corta verbas de seus salários e de seus políticos, deputados, senadores. E outros tanto que mamam nas tetas das vacas.

Nossa cidade conta hoje com mais de 60 centros de saúde, mais unidades de Pronto Atendimento, em cinco locais bem localizados.

Ocorre que, com o passar do tempo, algumas responsabilidades dos centros de saúde pararam de ser cumpridas, como grupos de orientação à gestantes, puérperas, portadores de doenças crônicas como Hipertensão Arterial e Diabetes, assim como doenças vasculares de pronto controle “desde que” os pacientes tenham garantidos as suas consultas, exames, e retornos. Mas não é isso que acontece.

Os centros de saúde tem por obrigação cuidar de seus pacientes que necessitam de curativos por serem portadores de doenças de “pés e pernas diabéticas”, ulceras varicosas, e seus hipertensos, que deveriam estar sendo assistidos diária e semanalmente em suas necessidades. Por não cuidarem aumentou muito as cirurgias de amputação de membros. Já ouve até em final de semana MUTIRÃO DA AMPUTAÇÃO no centro cirúrgico do hospital.

A população brasileira, as famílias desses doentes, não estão preparadas para realizarem curativos em casa, são casos muito delicados que devem ser cuidados por uma equipe de enfermagem orientada por médicos desses postos de saúde. A bem da verdade, eu acredito que essa nova EQUIPE DE ENFERMAGEM não tem preparo técnico para fazer esse tipo de procedimento. MAS OS CENTROS DE SAÚDE TEM AS ENFERMEIRAS QUE SÃO MUITO BEM PAGAS. E PODEM FAZER ISSO.

Não é isso que está acontecendo.

A demanda de pacientes que procuram diuturnamente o “Único Hospital porta aberta 24 horas, é o Rede de Urgência e Emergência Dr.Mario Gatti.” O próprio nome já diz o propósito do hospital, mas os usuários não são atendidos lá nos seus postos de saúde, nem sequer para medicar um paciente Hipertenso, muito menos um diabético descompensado, então esses vem parar no Hospital mencionado, e aqui FICAM HORAS, E MUITAS HORAS, aguardando atendimento.

Existe ainda um déficit de RH, ou seja, “número insuficiente de funcionários”, “espaço físico” inoperante, e para piorar ainda mais a condição humana desses usuários são OBRIGADOS  a passar por uma TRIAGEM onde tem enfermeiro (a), que ouve apenas  A QUEIXA DO MOMENTO. "ESSA MÁQUINA DA TRIAGEM TEM QUE DAR PRODUÇÃO.

Isso é feito por ordem de coordenadoras e diretoria do hospital em tempo recorde, ou seja o tempo estipulado é de dois minutos para cada cidadão  sentado na frente de um enfermeiro, que notifica a sua escuta em uma máquina, que escolhe a cor de acordo com a necessidade do usuário naquele momento, e que por AZAR DELE pode pegar uma BOLINHA DE CLASSIFICAÇÃO AZUL, e ficar o dia todo esperando para ser atendido.

Usuários se cansam desse vai e volta, batem na porta a todo instante pedindo para serem atendidos, outros se alteram e com razão porque são apenas cinco consultórios médicos, e uma sala de medicação absurdamente PEQUENA que não consegue colocar mais do que 15 pacientes sentados tomando sua medicação.

Na minha tão insignificante opinião, esse espaço deveria ser dobrado de tamanho, assim como o número de funcionários. 

Pior que tudo isso ainda, vivemos um caos, um horror dos horrores na sala de medicação, a farmácia que é terceirizada nos manda material de péssima qualidade para trabalhar, sempre está em falta seringas de 5 ml, que são muito utilizadas

Na falta é substituída pela seringa de 10 ml, e na falta dessa também, por 20 ml, para fazer uma medicação intramuscular de 5ml, no máximo. Olha aí o prejuízo.

Agora é o máximo do ABSURDO, um paciente que “ sai do consultório com seus BE nas mãos, tem lá uma prescrição médica de APENAS “ um medicamento intramuscular, e/ou via oral", e já com alta médica é colocado do lado de fora, e vai ficar lá esperando HORAS para ser chamado e tomar finalmente sua medicação.

Isso tudo deve estar passando BATIDO aos olhares das coordenadoras de enfermagem e a própria diretoria do hospital, que não sai de sua ZONA DE CONFORTO, para ver de perto QUANTO SOFRE UM USUÁRIO SUS DEPENDENTE. Aliás o SUS é o convenio mais caro do mundo. Pago com nossos impostos, porque aqueles que estão nas suas zonas de conforto tem um convenio médico PARTICULAR.

O hospital é feio, pequeno, um horror, mas não precisa necessariamente virar um INFERNO. Os próprios funcionários da enfermagem procuram MINIMIZAR tudo isso, mas é humanamente impossível.

A ÚNICA FORMA DE MUDAR ESSA CALAMIDADE É FAZER OS POSTOS DE SAÚDE TRABALHAR ADEQUADAMENTE, MELHORAR O AMBIENTE HOSPITALAR, E PELO AMOR DE DEUS, PAGAR MELHOR NÓS OS FUNCIONÁRIOS QUE VIVEMOS ESSE INFERNO. Tudo está muito caro nesse país, e vem a Prefeitura Municipal de Campinas dizer que não tem dinheiro para dar aumento salarial?? Mas tem dinheiro para READMITIR OS COMISSIONADOS??

O SISTEMA SUS é o convenio mais caro desse país, e os pacientes merecem um melhor tratamento, aqui dentro, e lá na base /  NOS POSTOS DE SAÚDE.  Ou então fecham os postos, e faz mais um HOSPITAL PORTA ABERTA PARA RECEBER A DEMANDA. SIMPLES ASSIM. 

A Prefeitura Municipal de Campinas recebe muito dinheiro do Governo Federal para melhorar a situação dos usuários e funcionários, onde está a verba que recebe e encontramos publicações sobre as mesmas e ninguém sabe onde foi aplicada e porque?

Essa semana um usuário não conformado porque foi lhe dito que o hospital não faz o ULTRASSOM que o médico clinico solicitou e encaminhou para o centro de saúde, me disse que é muito "amigo" do Senhor Prefeito Jonas Donizete.
E que iria la no Paço Municipal, no 4º andar falar com ele, e tinha certeza de que o receberia. 

Então eu disse a ele informar ao Prefeito de que na Policlínica 3, aqui ao lado do hospital e da Cohab, existem aparelhos de ultrassonografia, endoscopia, eletroneuromiografia, eletroencefalografia, e uma sala de Raio X. Porém, tem médicos competentes para realizar o exame, mas não tem equipe de ENFERMAGEM para AUXILIAR OS MÉDICOS NA REALIZAÇÃO DOS MESMOS. 

Essa informação é de funcionária de enfermagem da Poli 3.

Espero que o senhor Prefeito tenha tomado conhecimento desse fato, e tome as medidas necessárias. 

Ah! no Centro de Saúde do São Bernardo tem uma sala de URGÊNCIA E EMERGÊNCIA MUITO MELHOR EQUIPADA QUE A SALA VERMELHA DO HMMG. De acordo com informações de funcionários também inoperante. 

Olha bem quantas coisas passam batido diante de uma diretoria ou Secretaria de Saúde. Ou se não passa batido tem lá as suas razões.
Sonia Pachelle.


Postar um comentário