30 de maio de 2010

> Amigo é...

web Para se guardar do lado esquerdo do peito...


A minha amiguinha, precisava de uma escola, e começou a frequentar a mesma que eu bem próximo a minha casa (nossa), mas não demorou muito, apareceu uma avó materna interesseira, e conversou com minha mãe mais ou menos nestes termos: - Eu sou avó da Linda, mas comigo ela não quer ficar, porém, acho que deveria trabalhar para ajudá-los nas despesas.. - De jeito nenhum, resmungava meu pai, ela está doente! tem apenas 12 anos.


O tempo passou e já tínhamos 14 anos quando meu pai permitiu que trabalhássemos, e fomos para escola a noite, e aos sábados aprender "datilografia". Quando eu chegava com meu salário, meu pai já o pegava para pagar um terreno de 300m, que comprara para mim, e a Linda tinha seu dinheiro guardado no Banco, em nome dela, para sua garantia.


Quando a avó tão boazinha desconfiou que ela poderia lhe dar lucro, foi a justiça e pediu a guarda da Linda, e conseguiu, por um certo tempo, até que descobrimos maltratos, marcas no corpo, e procuramos na justiça a sua proteção. Ela havia saido da escola, e trabalhava escravizada numa empresa fabricante de sapatos, e sua função era colar o couro. Imaginem, cheirando cola com 14 anos, era o fim.


Mas tudo mudou como relampago, voltou a trabalhar comigo, e agora já era num escritório, aprendia muitas coisas, mas, era uma jovenzinha muito sofrida, mais chorava do que fazia aproveitar as oportunidades.


Até que com 16 anos encontrou um "ombro amigo" covarde, ordinário, que a engravidou e deixou a ver navios, e então, nascia seu primeiro filho lindo de olhos azuis. Foi criado com muito zelo, e hoje tem mais dois irmãos, uma moça e um rapaz. Todos tres, formados em Universidade, trabalhando, e com a família que a Linda constituiu: ela, o marido que assumiu seu primeiro filho, e seus dois filhos que vieram depois.


Ela, a Linda, conseguiu reverter o destino a seu favor, é uma excelenta mãe/dona de casa/ e feliz.


Aqui deixo um pouco as lembranças com essa criatura marav ilhosa. Voltarei.



texto pessoal


Postar um comentário