5 de maio de 2013

ALEGRIAS E GLORIAS

imagem web

Alguma sensação mágica e de calma  acontece no espírito humano quando não mais precisamos de toda a atenção voltada para nós  e conseguimos a GLORIA para os outros.

A necessidade excessiva de atenção vem no nosso egocentrismo que nos diz: "Olhe para mim! Sou especial. A minha história é mais interessante que a sua." Essa é a voz interior que talvez não saia e diga isso, mas quer que acreditemos que nossas realizações, crenças, teorias, sejam mais importantes que as dos outros."

O "ego" é aquela parte de nós que deseja ser vista, ouvida, respeitada, considerada especial, e frequentemente > AS CUSTAS DE ALGUÉM. É a nossa parte que interrompe a história que alguém está contando, ou que impacientemente espera a vez de falar para que a conversa e a atenção voltem a girar em torno de nós> infelizmente em graus diferentes esse é um hábito até que comum. 

Quando mergulhamos e recuperamos a conversa para nossos domínios estamos aumentando a distância entre nós e os outros, e aí todos perdem.

Sempre que alguém nos conta uma história ou deseja dividir uma realização conosco, devemos perceber a nossa tendencia de contar algo a nosso próprio respeito, como recompensa. 

É preciso abdicar da necessidade da atenção, para podermos aproveitar a alegria que existe na glória dos outros. Quando ouvimos e dizemos> que maravilha! ou conte mais! estamos dando a oportunidade das pessoas que falam, sentirem o prazer de nos contar alguma coisa. 

Em algumas ocasiões é absolutamente normal e apropriado trocar experiências, dividir as glórias e as atenções ao invés de doá-la aos outros.

Agindo e ponderando, haverá uma confiança interior em consequência da permissividade dada aos outros de poderem falar, ser ouvido, e nós aproveitarmos esses momentos plenamente. 

Texto baseado em meu caderno de reflexões. 

Sonia
Postar um comentário