13 de dezembro de 2009

> Justiça Social

Hoje, domingo, 13 de dezembro de 2009, na primeira página do Correio Popular de Campinas, lêem:

OUTRO DIA PARA SER ESQUECIDO: Trata-se de chuvas e enchentes, angustia, incerteza e impotência diante da desgraça de centenas de famílias desabrigadas em conseqüência da falta de estrutura nos bairros próximos a rios e córregos da cidade. É tentar salvar vidas ou pertences pessoais, e os animais na sua maioria morrem. Esse é o retrato de uma grande cidade onde o Prefeito tem como lema: “Primeiro os que mais precisam!”

MAESTRINA DEIXARÁ SINFÔNICA EM 2010: A maestrina Ligia Amadio, que foi concursada em 2005, e assumiu o cargo desde então, será substituída pelo maestro Karl Martin importado da Suíça, e se continuar na função será subordinada ao mesmo. Claro que ela deverá sair, e optar pela regência da Orquestra Sinfônica da USP, onde já assumiu como titular.

PULSEIRA DA MODA ESCONDE JOGO SEXUAL: É moda o uso de pulseirinhas de silicone entre as crianças e adolescentes, que na década dos anos 80 a 90 se resumia a beijos, abraços, apertos de mãos. Vejam agora o significado das pulseirinhas que podem ser compradas nos camelos pelo preço de 20 pulseiras por R$ 1,00.
Significados: Amarela: abraço/ Azul: sexo oral/ Rosa: exibir seios ou penis/ Roxa: beijo de língua/ Branca: escolhe o que preferir/ Verde: chupões no pescoço/ Vermelha: dança erótica/
Preta: fazer sexo/ Dourada: todas as anteriores.

EDITORIAL: O problema da corrupção no Brasil é endêmico e desesperador para pessoas de bem, que vêem os valores éticos solapados pelos espertos de plantão, que perpetuam cargos para sugar constantemente a veia das verbas públicas, porque sabem da aura de impunidade que lhes garante proteção institucional.

“Agora a minha indignação novamente com a saúde pública, da população SUS DEPENDENTE” que eu fui experimentar pessoalmente, com a minha necessidade de pequena cirurgia, no Hospital Maternidade de Campinas. Ano passado por ser uma cirurgia de grande porte, resolvi pagar tratamento particular, então, fui muito bem assistida.
Porém, nesse último dia 11, internei-me pelo SUS, e por um milésimo de segundo não abandonei o hospital, tal a sujeira e imundice que constatei, a falta de higiene, ética, e desrespeito a privacidade das internadas.

imagem web

Texto: Resumo do Jornal referido/ último parágrafo: pessoal


Postar um comentário