4 de abril de 2011

>> PÓS DIVORCIO

web
A raça humana é a mais irracional que se criou sobre a Terra. O animais cruzam, procriam, e cuidam de seus filhotes, ensinando-lhes as como vencer as dificuldades da vida.

Parece-me que isso não acontece com os humanos; quando temos nosso primeiro filho (as vezes único), ele se torna o centro das atenções> a mãe orgulhosa é até ciumenta, o pai mais ainda é o "fruto do nosso amor".

O tempo passa, a rotina é inevitável (pelo menos por um certo período), e começa o desgaste do casamento. Alguém sempre perde a paciência com alguma coisa, muitas vezes começam pequenas discussões que vão tomando um volume cada vez maior.

O mesmo acontece com o casal que não tem filhos, a rotina os leva quase sempre a invadir a individualidade do outro: é uma discussão de vez em quando que parece coisinha boba.

Isso torna-se comum, até que fica insuportável: um dos dois acaba se anulando para evitar atritos, mas por um certo tempo, depois não aguenta mais e vem a derradeira decisão do divórcio.

" É melhor assim, nós não podemos ficar discutindo todas os dias, ou semanas, melhor para todos o divórcio" > e lá vão os dois para o cartório e com a mesma facilidade com que se casaram, viram-se as costas e tchau ...

Mas, depois de um certo tempo de curtir a liberdade, "cai a ficha". Normalmente a mulher volta para a casa dos pais, e acaba canalizando quase todo seu salario para "ajudar na casa". Como a mulher divorciada sempre leva a marca, assim como o homem, normalmente é mais enganada.

Sempre a mulher encontrará "um bico doce" interessado nela, jurando ser a mais interessante que conheceu, e tolo foi o ex que se divorciou de uma "linda mulher".Depois leva um chute no traseiro e chora amargamente a decisão precipitada, o orgulho de não reverter o casamento numa convivencia inteligente, afinal o marido não era tão ruim assim.

O homem, raras vezes volta para a casa dos pais, passa a viver sozinho, a curtir os amigos, baladas, quase sempre chega em casa bebado, e por aí a fóra...

Quando está só e sóbrio, "cai a ficha": estou sozinho, nossa que falta me faz a esposa que tive, não percebia quanto preenchia a minha vida, e agora?

Agora "doce encanto de marido" voce vai ter que garimpar muito para encontrar novamente uma mulher nota deis, que será a sua esposa, amiga, companheira de viagem.

E lembre-se voce é homem: " irá casar-se com ela, e todo pacote: pai, mãe, irmaos, cunhadas(os), tias(os), porque a mulher sempre leva o marido mais a frequentar a família dela.

Veja se presta atenção e não faz errado novamente, põe na cabeça que mulher é um "bichinho complicado": tem TPM, chora à toa, é brava como um pit-bull, e não se arrisque a enganá-la porque enquanto voce está indo com a farinha, ela já fez o pão.

Agora voce homem jovem ou não, que separou-se e ainda está deprimido e decepcionado, é bom procurar uma ajuda, da família ou profissional da saúde mental.

Porque uma coisa é certa: casar é legal, bonito, tem festa, mas difícil é manter a chama acesa.... Para isso não tem curso nem escola, aqui voce usa a intuição, sabedoria,tolerancia.

A pior coisa que tem nessa vida é divorciar e ficar sozinho(a), raramente a pessoa consegue readaptar-se a viver com a família, e sózinho acaba num marasmo de fazer dó. Resumindo: divórcio não é bom para ninguém, os dois saem feridos.

Então antes de partir para decisão do divórcio pense um pouco mais, releva os motivos, certamente deve haver um meio de consertar o que ainda funciona, está com defeito apenas, basta paciencia, tolerancia, acordos, conversas.

Saiam a um passeio diferente, tirem umas férias juntos, e tentem recomeçar como namorados que já foram.

O ideal é termos a nossa família, porque os pais não são eternos, e quando a vida deles se esvair, sobrará uma triste solidão. Pode ser até tarde demais.

sonia.







Postar um comentário