8 de junho de 2009

> Consertando coisas...

Lembro-me que há exatamente 28 anos, consegui refogar um pepino, e coloquei na mesa, convencida de que estava oferecendo um delicioso almoço ao meu marido, acompanhado de um arroz, meio marrom..., Bifes enrugados, e feijão aguado.
Queria morrer, quando ouvi o comentário: “que é isso? Onde você conseguiu umas lesmas tão consistentes?”
Quis que um buraco se abrisse na minha frente, e afundar muito, que vergonha, eu não sabia cozinhar...

Fui aconselhada a fazer um curso de culinária no SESI (Serviço Social da Indústria) gratuitamente. Aprendi muita coisa, que me lembro até hoje, aliás, de muita utilidade principalmente nos dias atuais, não podemos desperdiçar nada.
O segundo estágio foi na casa da minha sogra, querida Sra. Lina, que me ensinou muita coisa.
Mesmo assim, durante muitos anos, nunca pude sair de perto do fogão, pois, inúmeras vezes: torrar feijão, legumes, carnes, junto com as próprias panelas, era uma rotina...
Panelas que tinham um destino cruel:
Depois de tudo muito frio, embrulhadas em jornal ia para o lixo, eh, prejuízo para o bolso...

Daí há uns quatro anos, decidi que não queria mais cozinhar só para mim, já não tinha filho comigo, se casou.
Aposentei o fogão.
Porém, por força do destino, olha eu tentando COZINHAR... Que desastre começou o drama todinho de novo, lá vai feijão queimado, arroz sem sal, carne torrada, e por aí a fora.
Mas sorte a minha, tenho uma pessoa ao meu lado, que conserta tudo isso, é só ouvir um grito “Oh meu Deus”, ou me ver sair correndo, ah esqueci de novo...
Eu ouço: Ai meu Deus, calma, fique calma, vamos dar um jeito...

E assim eu vou alternando momentos de risos, um tanto sem jeito, mas com compreensão, acho mesmo que minha praia é agulhas, seringas, bisturis, medicamentos, curativos... menos fogão...
Postar um comentário