18 de outubro de 2009

> DROGAS - MACONHA/COCAÍNA

Maconha, cocaína e as anfetaminas, já não são mais vícios exclusivos de periferias, chegaram as grandes mansões da sociedade "Esses jovens, previlegiados por natureza, de boa família, e que não necessitam de grandes esforços para ter um nível social invejável, escolas particulares de renome, carrões, mordomias, se deixam levar pela ilusão que uma tragadinha de maconha não faz mal algum, e estarão aptos a conter -se para não viciar. Puro engano, a maconha é a droguinha mais sem-vergonha para levar o usuário as drogas pesadas.

As drogas mais pesadas a que me refiro seriam a cocaína cheirada, ou injetada, craques, ecstasy, e anfetaminas, entre outras tantas.

E esses jovens pensando estar imunes a dependencia psico/química, vão aos poucos experimentando cada uma delas, para o desespero de suas famílias.

Atualmente na FEBEM os adolescentes de classe média cumprem medidas "sócio-educativas" não só pelo uso mas pelo tráfico de drogas.

É uma grande bola de neve, porque, passar por esses venenos de maior potencia custa caro, e acabam se envolvendo no trafico para ganhar dinheiro, e comprar as drogas para consumo próprio.

A Holanda e a Suíça já estão pensando em modificar suas leis de consumo de drogas como maconha e haxixe, em espaços reservados a jovens usuários/viciados.

Li o depoimento de um jovem, hoje "MÉDICO", onde ele declara que convenceu seus pais que a maconha era menos maléfica do que o cigarro (ele sabia que não era). Dizia aos pais que se baseava em literaturas e publicações científicas.

Porém, estava enganando os pais, porque já era usuário de cocaína cheirada e injetável, além de fazer uso de DOLANTINA que é um OPIÁCEO ( contém ópio). Relata também que possou por uma Overdose e só não morreu por estar dentro de um hospital, local de seu trabalho. Após esse episódio triste e desgastante resolveu se internar, tratar, e curar.

Ficou livre das drogas, e diz ter agora uma qualidade de vida nunca experimentada no período do uso das "porcarias", que faz questão de ficar longe até do alcool, começando por uma simples cerveja.

Mas não é todo jovem que tem recursos economicos para um tratamento sério e eficaz, pois, custa em média, de 2 a 3 mil reais, por mês. Por isso é melhor não se arriscar, porque se chegar num ponto desse jovem aí do depoimento, vai ficar num buraco escuro e sem fundo...

Sei o que falo, porque tenho na minha família um jovem de 27 anos, que é drogado desde os 15 anos de idade. Tudo começou quando a mãe separou-se do pai, e como guarda ficou compartilhada, nos dias em que ficava sob a responsabilidade do pai, estava sempre livre e solto. É aí que mora o perigo. Menino sózinho, carente, vem aquele colega legal, conversa vai e vem, pronto, experimenta a maconha.

Esse jovem que aos 15 anos já falava ingles fluente, tornou-se um semi-analfabeto, o crack acabou com os neuronios dele, não sabe mais escrever uma carta, lê com dificuldade, já ficou internado várias vezes, mas retorna ao maldito vício.

Mora sózinho, nem pai nem mãe querem a presença dele em casa por causa dos outros filhos já que além de drogado, é traficante e agressivo com a família. Portanto, vive só, andarilho das madrugadas, que triste...
Postar um comentário