31 de julho de 2009

> Derrame/ Causas e Sintomas

O cerébro exige suprimento constante de oxigênio conduzido pelo sangue, que deve afluir em grandes quantidades e sem variações apreciáveis, e se isso não acontece, poderá sofrer alterações graves.
O cérebro não suporta a falta de oxigenio por mais de 8 a 10 minutos, por isso sofre lesões irreparáveis, porque os tecidos nervosos não se regeneram.
Quando ocorre ausencia ou diminuição de sangue no cérebro há um ACIDENTE VASCULAR ISQUEMICO( AVCI ), e quando há excesso de sangue, provocando hemorragia ocorre o ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL HEMORRÁGICO ( CVCH). Ambos são designados, embora erroneamente, pela expressão "Derrame Cerebral", que a rigor esse termo só deve ser aplicado aos AVCHs.
- Obstrução da artéria - A diminuição do fluxo sanguíneo (AVCI) pode ter duas causas: a obstrução de uma artéria cerebral ou a insuficiência da circulação sanguínea no cérebro, ganhando o nome de insuficiencia vascular cerebral.
Um coágulo sanguíneo pode provocar a obstrução. Quando esse coágulo se forma no próprio local da obstrução, recebe o nome de "trombose". Porém, se o coágulo for uma partícula do sistema circulatório e chega ao cérebro obstruindo a artéria, ganha o nome de "embolia".
- Rompimento - Nos casos de derrame propriamente dito (AVCH) ocorre uma hemorragia no interior do cérebro, provocado pelo rompimento de artérias. Trata-se de uma alteração repentina, frequentemente grave e mortal.
As causas do rompimento das artérias ainda são controvertidas, pois, um ANEURISMA( que é a dilatação anormal da artéria) pode romper-se e causar a hemorragia. Também pode haver sangramento no caso da presença de Tumores, leucemia ou outras anormalidades de coagulação do sangue.
Já a Isquemia Cerebral (AVCI) pode ser leve e passageira, e até mais grave.
No primeiro caso o paciente nota o adormecimento dos músculos da face, formigamentos dos membros superiores e inferiores. Podem aparecer distúrbios visuais, disfalgia, andar tropêgo, dificuldade de falar, e vertigens. Essas alterações não permanentes, surgem como forma de ataques periódicos com intervalos de meses, semana, dias, ou várias vezes durante o sono.
Quando a isquemia ocorre numa das metades do cérebro, seus efeitos são sentidos no lado oposto.Nas obstruções graves pode ocorrer o óbito principalmente em pessoas idosas, e portadoras de DM/ HAS, e outras ( Diabetes Mellitus/Hipertensão arterial) . Não havendo co plicações do quadro, o paciente sofre uma regressão do quadro, e possivelmente se recupere totalmente.
No AVCH, o quadro é muito grave, e a recuperação não é total. Geralmente é um mal súbito, mas também pode aparecer de maneira progressiva, evoluindo para a morte. As principais queixas são: cefaléia e dificuldade visual. Os principais sintomas são: sudorese intensa(muito suor), queda de pressão, diminuição frequencia cardíaca e respiratória, podendo perder a consciencia e chegar ao COMA.
Poderão ocorrer paralesias, convulsões, e os olhos desviam para o lado hemorrágico, sendo essas as alterações mais intensas. É necessário o médico especialista (Neurocirugião), acompanhar o quadro clínico do paciente, bem como com exames específicos
Constatando-se ou não a presença de tumor cerebral, a melhor forma de rastrear a doença é através da ARTERIOGRAFIA, que permite a visão da rede vascular, possibilitando a localizaçao da hemorragia.
Postar um comentário